Lazaro não foi muito utilizado pelos últimos treinadores. Não agradou em alguns quesitos e, aparentemente, os técnicos não se empenharam em ajudar a desenvolver o talento do menino. Estudioso e curioso sobre temas relacionados à base, Paulo Sousa já tinha informações sobre o jogador quando chegou ao clube e decidiu fazer diferente dos antecessores. Tem orientado bastante nos treinos e concedido oportunidades nos jogos.

No entanto, o "renascimento" de Lázaro não se resume apenas à chegada do comandante português. Na reapresentação do elenco, no início do ano, o Departamento de Saúde e Alto Rendimento (Desar) identificou carência mineral de ferro no meia. Em atletas, ocorre em cerca de 10%, principalmente pela alta demanda metabólica.

Por ser um componente importante na produção de células vermelhas e geração de energia, a sua deficiência possui impacto direto na performance aeróbica e recuperação. O clube iniciou um trabalho específico com Lázaro, que recebeu suplementação direcionada, com melhora dos indicadores sanguíneos.
Resultado em campo
A evolução passou a ser percebida nos treinos. O jogador, que chegou a ser taxado de “sem intensidade” por Rogério Ceni, teve incremento, em jogo, de 10% na distância máxima percorrida e 19% na distância percorrida em alta intensidade. Para o sistema de jogo de Paulo Sousa, esses indicadores caem como uma luva, pelo ritmo e intensidade que são cobrados pelo técnico.

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem

mgid

mgid